Sábado, 20 de Julho de 2024 23:23
(31) 99129-8046
Sociais CONVERSA DE ESQUINA

Desmontando Saudades

Mas, e se recebêssemos imagens dos monumentos que perdemos pelos descaminhos do tempo e da vida?

07/02/2023 16h15
Por: Glaucia Melo Clark Fonte: LUIZ ALVES

Postam-me um vídeo sobre a Sabará dos anos 1950. Nossas atuais construções históricas lá estão. Todas sobrevivem. Muitas hoje mais bem conservadas do que na época. Ótimo. Mas, e se recebêssemos imagens dos monumentos que perdemos pelos descaminhos do tempo e da vida?

 

Dias atrás, os noticiários lamentavam que os brasileirinhos de hoje não tivessem visto o Rei Pelé em ação, ao vivo. Eu vi o Pelé, o Garrincha, o Didi... Foi ótimo. Mas lamento que os sabarensezinhos de agora não tenham visto muitas coisas que tornavam mais rica e bela a história desta cidade.

 

Lembro-me da velha Escola Mauá, consumida num incêndio. Qualquer arquiteto de sensibilidade mediana reconstruiria o memorável prédio, anexando a ele as dependências exigidas pelos tempos atuais. Como o Instituto Promove fez com histórica construção na avenida João Pinheiro, em BH. Mas eu disse arquiteto de sensibilidade. Aquele “genial” fazedor de barracos dos tempos ditatoriais destruiu duas construções interessantes que ficavam ao lado do Mauá e lançou por terra, de graça, um centenário Passo da Paixão. Ali, em desaparecido quadro, seu colega Pilatos perpetrava infâmia quase igual a sua. Tudo isso para erigir um suadouro de cimento onde, professores e alunos, nos derretíamos no afã do ensinar e aprender.  

 

E se me postassem um vídeo mostrando o belo solar que ficava em frente ao Cravo? Ou mostrassem a Igreja de Santa Rita, destruída para abrir mais espaço à nossa burrice? E se mandassem imagens do coreto da Matriz, do palacete do Barão de Sabará, das duas casas perdidas na Pedro II? E a estação de General Carneiro, hein? Programa de TV tem mostrado o fim que deram às sobreviventes estações ferroviárias de várias cidades mineiras. Estão restauradinhas e viraram espaços culturais. Tínhamos também uma no bairro Paciência. Tínhamos. Ah, se viajássemos pelos trilhos da saudade como Tiradentes e São João Del Rei!... Usaríamos o caminho de ferro que nos ligava à Capital para trazer turistas, espécie extinta por estas bandas.

 

Contentemo-nos, todavia, em apreciar os monumentos que ainda não foram vítimas do nosso descaso e nos orgulhemos do que nos resta. Abracemos tais riquezas com cuidadoso respeito e extremado carinho. 

 

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Evandro de Paula Há 1 ano Betim Sou ex-aluno do colégio Mauá da época do diretor o saudoso Pe Avelino e do professor Vicente Nolasco e do professor Marcelo Dias e outros que minhas recordações já não atendem minhas horas de viagem no tempo. Saudades nos restam, lamentações também. O descaso pela coisa pública persiste. até quando?
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
CONVERSA DE ESQUINA
Sobre CONVERSA DE ESQUINA
Uma coluna bem descontraída que conta a história do povo da nossa cidade através das mãos do nosso amigo professor e ex-prefeito Luiz Alves
Sabará, MG
Atualizado às 20h05
20°
Tempo limpo

Mín. 11° Máx. 28°

19° Sensação
2.57 km/h Vento
54% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (21/07)

Mín. 11° Máx. 26°

Tempo limpo
Amanhã (22/07)

Mín. 11° Máx. 29°

Parcialmente nublado
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias