QUARTA-FEIRA, 02 DE DEZ DE 2020
Untitled Document
NOTICIÁRIO - MEIO AMBIENTE
08 DE SETEMBRO DE 2020
Chegou Setembro e Sabará é presenteada com as belezas dos ipês

“Quando entrar Setembro/ E a boa nova andar nos campos/Quero ver brotar o perdão/Onde a gente plantou/ Juntos outra vez/Já sonhamos juntos/Semeando as canções no vento/Quero ver crescer nossa voz/No que falta sonhar”. (“Sol de Primavera”).

Os versos da canção de Beto Guedes sempre surgem como um hino neste inicio de setembro.

A primavera é certamente a mais emblemática estação do ano. É o começo de um novo ciclo, representa nascimento. Místicos nos dão conta de que na Primavera – quando a força do dia e da noite torna-se igual – devemos nos integrar conscientemente a “Mãe Terra” como forma de renascer com ela para um novo tempo.

Em Sabará, assim como em todas as regiões do Brasil, é o ipê amarelo que anuncia de forma mais destaca a chegada dessa estação de cores, de flores, de cantos e de poesia.

Os ipês amarelos floridos impressionam, conquistam... como são belos. Em 1961, o então presidente Jânio Quadros decretou a flor do ipê amarelo com um dos símbolos do Brasil.

Imaginar a nossa ainda bela paisagem quando da chegada da Bandeira de Fernão Dias onde mais tarde seria Santo Antonio do Bom Retiro da Roça Grande, ou Roça Grande, o núcleo pioneiro na formação de Sabará; ou mesmo antes, quando o Sabarabuçu era habitado apenas pelos legítimos donos deste país: os índios pode ser um prazeroso exercício de contemplação. O espetáculo ainda mais magnífico e esplendoroso dos milhares que ipês amarelos soberanos nos morros, campos e encostas. Certamente, aqueles homens, nativos e desbravadores, deveriam em algum momento se deixarem levar pela beleza das matas ornamentadas de ouro, sonhando com o metal preciso que logo apareceria abundante.

É no finalzinho de agosto e boa parte de setembro que Sabará se veste de um amarelo lindo para anuncia a mais emblemática estação do ano: a primavera. De repente, os ipês amarelos, florescem espetacularmente, generosamente por toda parte. É poesia das mais puras... é genuína canção...

Aquele que, saindo da capital com destino Sabará, era recebido logo na entrada, altura do Sobradinho, por um sem número de ipês amarelos ricamente floridos... Exuberantes... e que o acompanham até o Centro Histórico. Por onde quer que se olhasse lá estava o “ouro”, se destacando no verde dos morros.

A tragédia das queimadas, fruto da ignorância e da falta de amor, o cenário de Sabará sofre com a ausência de centenas de ipês amarelos que “alegravam” nossa cidade. Que decoravam a paisagem com delicadeza e majestade.

Mas a natureza é magnífica... é maravilhosa... é generosa! Guardou para nós alguns ipês amarelos que floriram com toda a sua força e grandiosidade. Floriram como a nos dizer: Estamos aqui! Cuidem de nós! Aqui estamos para dizer, neste momento difícil, que a vida deve renascer da vida!”.

È um grande privilegio ver como Deus foi generoso com os recursos naturais do nosso Brasil... com a exuberância da nossa natureza!

Para fechar, ainda Beto Guedes: “Já sonhamos juntos/Semeando as canções no vento/Quero ver crescer nossa voz/No que falta sonhar/.

P.S – Tem ainda uma história contada por aí que diz o seguinte: Um grande incêndio acontece na floresta. Os animais acuados e assustados vêm uma pequena ave que voa até o rio colhe uma gota de água com o pequeno bico e leva até o fogo. Um dos animais em fuga vê aquilo e diz:

_ Ei, avezinha... o que está fazendo? Não vai conseguir apagar assim um incêndio tão grande..

Ao que a ave respondeu:

_ Estou apenas fazendo a minha parte!

*Por Sérgio Alexandre

MEIO AMBIENTE
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados