SEXTA-FEIRA, 23 DE OUT DE 2020
Untitled Document
NOTICIÁRIO - GERAIS
02 DE SETEMBRO DE 2020
Entra em vigor a lei que trata de cancelamentos de pacotes turísticos e eventos

Consumidor só será ressarcido se fornecedor não oferecer remarcação ou crédito equivalente.

Consumidores que foram afetados pelo cancelamento ou adiamento de pacotes turísticos e eventos culturais, em virtude da pandemia de coronavírus, não têm direito automático ao reembolso dos valores pagos. A Lei 14.046/20, oriunda da Medida Provisória 948/20 e publicada no último dia 25/08/20, garante aos fornecedores a possibilidade de remarcar os serviços, reservas e eventos cancelados ou disponibilizar créditos para serem utilizados posteriormente com outros serviços oferecidos pela empresa onde foi feita a compra original. Somente se pelo menos uma dessas duas opções não for garantida é que o consumidor poderá pleitear a devolução do dinheiro. Essa lei não se aplica a situações em que as passagens aéreas tenham sido compradas isoladamente.

Outro ponto da nova lei que merece atenção é que a remarcação do serviço, pacote ou evento pode levar o consumidor a desembolsar uma quantia extra para obter o mesmo serviço contratado inicialmente. É que a redação do artigo 2º, em seu parágrafo 5º, dá margem a dupla interpretação quando determina que, para a remarcação das reservas, serviços ou eventos adiados deverão ser respeitados “os valores e as condições dos serviços originalmente contratados”.

Por um lado, esse dispositivo pode significar que, caso um pacote turístico adquirido por um valor promocional tenha retornado ao seu preço original, o consumidor deverá complementar a diferença caso deseje usufruir desse mesmo pacote, já que os valores “originalmente contratados” deverão ser respeitados. Por outro, pode ser interpretado como uma garantia de que o consumidor terá o direito de remarcar o pacote turístico para uma outra data por aquele mesmo valor já pago. “Se houver esse conflito de interpretações na negociação entre cliente e fornecedor, provavelmente muitos casos terão que ser decididos na esfera judicial”, acredita o coordenador do Procon da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Marcelo Barbosa, que defende a interpretação mais favorável ao consumidor.

A Lei 14.046 determina que o consumidor, caso opte pela utilização do crédito oferecido pelo fornecedor para ser usado em um outro serviço, terá 12 meses para fazê-lo, prazo contado a partir do dia 31/12/20, que é a dada prevista para terminar o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20/03/20. Já a remarcação do serviço contratado poderá ser feita em até 18 meses, também contados a partir de 31/12/20.

Se o fornecedor não oferecer a remarcação e nem os créditos, somente aí é que o consumidor terá o direito de receber de volta os valores pagos. Essa devolução será corrigida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E) e poderá ser feita em até 12 parcelas, contadas da data do encerramento do estado de calamidade pública.

A orientação do Procon Assembleia é que os consumidores afetados procurem seus fornecedores e negociem um acordo. Segundo Marcelo Barbosa, essa negociação deve ser totalmente documentada. “É importante que o contato seja feito por escrito, de preferência por meio dos canais oficiais disponibilizados pelos fornecedores, sendo válidos também os registros de conversas via e-mail, whatsapp e outras formas de comunicação virtual”, afirma Barbosa.

GERAIS
27 DE NOVEMBRO DE 2019
Rede de Notícias do Sindijori MG
05 DE FEVEREIRO DE 2020
Um mar de lama
27 DE ABRIL DE 2015
Rede Sindijori de Comunicação
18 DE OUTUBRO DE 2016
19 DE JUNHO DE 2019
REDE DE NOTÍCIAS SINDIJORI
15 DE JULHO DE 2020
SABARÁ TERÁ FESTIVAL VIRTUAL
02 DE MARÇO DE 2020
Rede de Notícias do Sindijori MG
29 DE JUNHO DE 2020
Bem-vindo a Sabará
28 DE SETEMBRO DE 2020
Não recebeu o CRLV 2020?
01 DE OUTUBRO DE 2020
Rede de Notícias Sindijori | MG
21 DE OUTUBRO DE 2020
Vai uma vírgula aí?
07 DE MAIO DE 2020
Prazo para pagamento do IPVA
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados