DOMINGO, 12 DE JUL DE 2020
Untitled Document
NOTICIÁRIO - SAÚDE
28 DE MAIO DE 2020
Coronavírus: um inimigo invisível

Jovens e fora do considerado grupo de risco, o casal Amanda Brenda Breder Lins de Albuquerque, 27 anos, autônoma, e Elio Maielo Siqueira, 26 anos, empresário, foram surpreendidos pelo teste positivo para o novo coronavírus.

O casal reside em Sabará e desde que foi decretado o isolamento social na cidade, só saíam de casa para ir ao supermercado, sempre de máscara e tomando todos os cuidados possíveis.

Amanda Breder disse que não faz ideia de como foram contaminados, relatou que recebeu em sua residência a visita de amigos. Assim que Amanda e Elio testaram positivo, informaram às pessoas que tiveram contato e pediram que também fizessem o teste. O resultado dos amigos foi negativo.

“Eu e meu marido tomamos todos os cuidados, as pessoas que tivemos contato testaram negativo, então, acreditamos que contraímos o coronavírus através das entregas que recebemos em casa e ao manusear notas de dinheiro, como troco”, explica Amanda.

Primeiros sintomas

Os primeiros sintomas começaram no domingo, 03 de maio. Amanda sentiu fortes dores nas costas e na garganta, teve perda de paladar e muita dor de cabeça. Com o passar dos dias a situação piorou e outros sintomas apareceram. “Tive diarreia, calafrio, enjoo, febre, cansaço e dor no peito, principalmente para respirar. Os sintomas vão ficando mais fortes muito rápido, fiquei de cama, literalmente, de domingo à noite à quinta-feira (07/05), que foi o dia em que percebemos que era algo mais sério, não era só um resfriado”, concluiu.

Os sintomas se manifestaram diferentes em cada um, Elio Maielo os sentiu de forma mais leve. No dia 07 de maio, o casal decidiu procurar por atendimento médico na Santa Casa de Sabará. Após realizarem um exame de raio-x, a médica constatou que havia manchas nos pulmões de Amanda e Elio, mas como a Santa Casa não possuía o teste de Covid-19, foram orientados a ficarem isolados em casa, pois se tratava de um caso provável da doença. “Assinamos um termo dizendo que entendemos tudo o que era para ser feito e voltamos para casa tomando os cuidados necessários e tomando a medicação que foi receitada”, explicou Amanda.

Mesmo medicada, na sexta-feira (08/05), Amanda teve piora no quadro clínico e juntamente com o Elio, se deslocaram até a Drogaria Araújo em Belo Horizonte para fazer o teste rápido de Covid-19. O resultado deu positivo, poucas horas depois, procuraram um hospital em Belo Horizonte que atendia ao convênio médico de ambos e lá foi confirmado o diagnóstico. Retornaram para casa com novas prescrições de medicamentos. O casal havia de fato contraído o novo coronavírus. O medo do desconhecido passou a fazer parte da vida de Amanda e Elio.

Dos primeiros sintomas até a confirmação da doença, Amanda e Elio tiveram que se adaptar à nova realidade, e desde então, contam com a ajuda da família, amigos e conhecidos para atenderem às necessidades do casal, por exemplo: fazer compras de supermercado. Com a confirmação da Covid-19 o isolamento é total, como não podem ter contato com o meio exterior para não transmitirem a doença, os produtos comprados são deixados no portão da residência. Os dois só podem sair de casa para irem ao médico ou quando o exame acusar negativo.

Preconceito e

falta de empatia

Amanda contou que ela e o marido publicaram um vídeo nas redes sociais com o intuito de informar para as pessoas sobre os sintomas que tiveram e da importância do diagnóstico precoce. A partir de então, vêm sofrendo preconceitos. “Algumas pessoas nos julgaram por termos falado em redes sociais e muita gente tem preconceito com pessoas que são próximas a nós. Mas independente desses preconceituosos e dessa falta de empatia, vamos continuar dando informações para ajudar quem talvez tenha algumas dúvidas e mostrar para quem não acreditava nesse vírus, que ele existe sim, e está mais perto do que imaginamos”, ressaltou.

Amanda aconselha que as pessoas procurem atendimento médico ao sentirem os primeiros sintomas, pois a evolução do vírus no organismo é muito rápida. Também que usem máscara, álcool em gel e lavem as mãos. Mesmo depois de 10 dias com a Covid-19 a falta de ar e o cansaço não desapareceram. A permanência do vírus no organismo pode durar de 14 a 20 dias. O casal é acompanhado pelo convênio médico e pela Secretaria de Saúde de Sabará.

Dados da Covid-19

De acordo com Secretaria de Saúde de Sabará, até o dia 25 de maio, a cidade tinha 27 casos confirmados e 1115 notificados. Em investigação:18, casos descartados: 196 e nenhum óbito confirmado.

Em Minas Gerais, até o dia 26 de maio, segundo a Secretaria de Estado de Saúde, foram 7.516 casos confirmados, 3.627 em acompanhamento, 3.655 casos recuperados e 234 óbitos foram confirmados.

SAÚDE
03 DE JULHO DE 2020
Meu Herói é você
26 DE JUNHO DE 2020
Por favor, fiquem em Casa!
28 DE AGOSTO DE 2019
CAPS Adulto ganha nova sede
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados