DOMINGO, 22 DE JUL DE 2018
Untitled Document
NOTICIÁRIO - GERAIS
15 DE MAIO DE 2018
Usuários da linha BH-Sabará reclamam de motoristas

Pernas, ombros, quadril e braços roxos, além de muita dor e uma madrugada inteira no hospital. Este é o resultado de uma queda do ônibus, após o motorista arrancar o veículo, enquanto a aposentada de 72 anos Edite Madalena Coelho descia da condução. A senhora estava na linha 4988 que faz Sabará- Belo Horizonte e o acidente aconteceu em Sabará, quando a senhora chegava em casa.

Edite conta que a sobrinha que estava com ela pediu para o motorista levá-la para o hospital. O motorista foi com a senhora até o ponto final, lá ela esperou por um bom tempo e finalmente foi encaminhada para a UPA. Quando chegou a UPA, segundo ela, tinha cerca de 200 pessoas para serem atendidas. Então, ela desistiu e resolveu ir para Belo Horizonte e ser atendida pelo Plano de Saúde. Essa maratona foi até cinco e meia da manhã, o acidente aconteceu por volta das 16h. “Passei a madrugada inteira fazendo exames e sentindo muita dor”, diz.

Uma semana após a queda, Dona Edite ainda sente dor, as marcas estão bem visíveis no corpo e ela ainda está sendo medicada. A aposentada conta que cerca de três dias depois um funcionário da Cisne ligou perguntando se era preciso comprar algum remédio ou se houve gastos para o tratamento. Ela disse que o marido havia gasto cem reais com gasolina para ser atendida em Belo Horizonte, já que ela teve que ser encaminhada para o Hospital do Barreiro e ainda tinha o valor dos remédios, mas como ela não havia pegado recibo, a empresa disse que não teria como ressarci-la.

A cuidadora de idoso, Maria da Conceição Gomes, 68, também passou por uma situação parecida. Ela diz que quando estava descendo do ônibus, o motorista fechou a porta e seu braço e sua perna ficaram presos. “Ele chegou a andar com o ônibus e eu fiquei pendurada, meu marido que já tinha descido, me segurou do lado de fora”, conta. O motorista só parou o veículo depois que os passageiros e a própria cuidadora pediram.

Maria da Conceição não chegou a ir para o hospital, mas disse que sentiu muita dor na hora e o motorista simplesmente pediu desculpas. “Ele nem perguntou se eu tinha machucado ou estava bem, só pediu desculpas. Assim é muito fácil, né?”, diz indignada.

As senhoras acreditam que a falta de cobrador nos ônibus contribui para que acidentes desse tipo aconteçam. E pedem para que os motoristas trabalhem com mais atenção, principalmente na hora do embarque e desembarque dos passageiros. Elas reclamam ainda que os idosos não têm o respeito por parte de alguns motoristas. “Já cansei de ouvir motorista chamar os idosos de ‘pé na cova’, reclamando que a gente entra em um ponto e desce no outro”, contou Maria da Conceição.

Viação Cisne

José Magno da Silva é o responsável pelo treinamento dos motoristas da empresa e também mantém a relação com os usuários. Em relação ao acidente ocorrido com a aposentada Edite Madalena ele diz que a empresa prestou todo o atendimento necessário, mas ficou difícil de ressarci-la, pois ela não apresentou nenhuma nota. Neste caso, ele alerta que é importante que o passageiro apresente notas e recibos, para que fique registrado e contabilizado na empresa.

Já no caso da cuidadora de idosos, Maria da Conceição, a empresa diz que a ocorrência não foi registrada, mas a empresa tomou conhecimento e conversou com o motorista que disse que ofereceu ajuda, mas a passageira afirmou que não precisava. O presidente da Viação Cisne, Hélio Marques, ressalta que nos dois casos os motoristas foram aconselhados e orientados.

Hélio Marques ressaltou a importância de registrar qualquer acidente ou incidente ocorrido nos ônibus. Pode fazer inclusive um boletim de ocorrência. Pois a partir desse momento, certificando o que aconteceu, a Cisne assume todas as responsabilidades, passando, inclusive, orientações sobre o seguro DPVAT. “Nós não temos problema em assumir responsabilidade que é nossa, geralmente vamos ao cartório e registramos o compromisso com a pessoa e liquidamos o problema, mas a pessoa (o usuário) pode facilitar o contato”, destaca o presidente.

José Magno diz ainda que os motoristas passam por treinamento de atendimento ao cliente a cada seis meses. Segundo ele, a empresa mostra para os funcionários que o passageiro é responsabilidade dele a partir do momento que este entra no ônibus até a hora que ele desce, por isso é muito importante a paciência, tranqüilidade e muita atenção.

Além disso, Magno destaca que a Cisne conta com um equipamento que monitora os motoristas em todas as viagens registrando desde a velocidade do veículo até uma freada mais brusca. Por ali, a empresa tem o controle do desempenho de todos os motoristas.

De acordo com o levantamento registrado por este aparelho, 95% dos motoristas apresentaram durante este ano 70% ou mais de aproveitamento. Segundo dados da empresa, pelo menos 15 mil pessoas são transportadas por dia nos carros da Cisne.

GERAIS
25 DE SETEMBRO DE 2017
Carnaval dos Enxutões
08 DE FEVEREIRO DE 2018
TÁ TUDO ERRADO
27 DE ABRIL DE 2015
Rede Sindijori de Comunicação
18 DE OUTUBRO DE 2016
29 DE AGOSTO DE 2017
AngloGold testa sirene no Pompéu
31 DE OUTUBRO DE 2017
Uma tradição milenar
29 DE AGOSTO DE 2017
Romance em contos
21 DE NOVEMBRO DE 2017
Quanto custa morrer?
03 DE JANEIRO DE 2018
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
28 DE SETEMBRO DE 2017
08 DE AGOSTO DE 2017
08 DE AGOSTO DE 2017
Alerta as Prefeituras
28 DE SETEMBRO DE 2017
ACESSO PARA TODOS
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados