SEGUNDA-FEIRA, 28 DE MAI DE 2018
Untitled Document
NOTICIÁRIO - GERAIS
08 DE MARÇO DE 2018
Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil

MG é o 8º estado com a menor representatividade feminina no Congresso Nacional

MG é o 5º estado com a menor taxa de fecundidade adolescente do país

O Dia Internacional da Mulher (8 de março) traz a oportunidade de aprofundar as reflexões sobre o papel atual e esperado das mulheres na sociedade; as desigualdades persistentes entre homens e mulheres em suas distintas dimensões de análise; e o exercício de direitos e equalização de oportunidades, independentemente do sexo. Enquanto responsável pelas estatísticas oficiais brasileiras, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com a divulgação do estudo Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil, reforça a importância da produção de indicadores de gênero com um duplo objetivo: enriquecer o debate, proporcionando informações destacadas sobre o tema, e corroborar a importância de se manter uma agenda pública permanente, que coloque a igualdade de gênero como um dos eixos estruturantes da formulação de políticas públicas no País.

A publicação traz um conjunto de informações sobre as condições de vida das brasileiras com base em recomendações da ONU de harmonização e comparabilidade internacional. A partir de um Conjunto Mínimo de Indicadores de Gênero (CMIG), proposto pela Organização de Estatística das Nações Unidas, o IBGE compilou informações de diversas pesquisas como Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), Pnad-C (Contínua) e PNS (Pesquisa Nacional de Saúde), junto a dados de fontes externas como Ministério da Saúde, Congresso Nacional e Inep/MEC, para apresentar indicadores agrupados em cinco temas: estruturas econômicas e acesso a recursos; educação; saúde e serviços relacionados; vida pública e tomada de decisões; e direitos humanos de mulheres e crianças.

Além do material divulgado nacionalmente, destacam-se cinco indicadores com dados para Minas Gerais: proporção de mulheres entre docente do ensino superior; proporção de cadeiras ocupadas por mulheres em exercício e proporção de mulheres entre os parlamentares eleitos para a Câmara dos Deputados e o Senado Federal; proporção de policiais mulheres e a taxa específica de fecundidade de mulheres de 15 a 19 anos.

Confira os destaques:

Minas Gerais é o quinto estado com a menor proporção de mulheres docentes no ensino superior em relação aos homens (44,1%). Apenas em três Unidades da Federação (Mato Grosso do Sul, Bahia e Piauí) há uma maior proporção de mulheres. Esse indicador exemplifica o já mostrado nacionalmente pelos demais indicadores, cuja tendência é de aumento da escolaridade das mulheres em relação aos homens, embora a estrutura ocupacional de homens e mulheres permaneça bastante desigual. Ou seja, mesmo as mulheres tendo uma escolaridade mais alta, ainda assim isso não se reflete no mercado de trabalho.

Essa desigualdade é ainda mais expressiva na representatividade política. Minas Gerais é o oitavo estado com a menor representatividade das mulheres nas cadeiras da Câmara do Deputados e Senado Federal (8,9%) em exercício em 2017, sendo que não há nenhuma mulher representando Minas Gerais no Senado. Esse cenário é o mesmo quando se analisa as eleitas tanto em 2010 quanto em 2014.

Na segurança pública, há também sub-representação feminina, apesar das recomendações internacionais de maior inserção das mulheres na vida pública, especialmente para fortalecer as medidas de assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar. Em 2014, Minas Gerais tinha 11,2% do efetivo das Polícias Militar e Civil composto por mulheres. O estado ocupa a oitava posição entre os estados com a menor participação das mulheres.

Um indicador que permite monitorar a proteção da infância, da adolescência e da juventude das mulheres é a taxa de fecundidade adolescente. Em Minas Gerais, essa taxa era de 44,7 nascimentos a cada 1.000 mulheres de 15 a 19 anos de idade em 2016 e tem apresentado queda sistemática desde 2011, quando era 50,7. Minas Gerais é o quinto estado com a menor taxa de fecundidade adolescente do país.

GERAIS
25 DE SETEMBRO DE 2017
Carnaval dos Enxutões
08 DE FEVEREIRO DE 2018
TÁ TUDO ERRADO
27 DE ABRIL DE 2015
Rede Sindijori de Comunicação
18 DE OUTUBRO DE 2016
20 DE FEVEREIRO DE 2017
Ande de acordo com a lei
29 DE AGOSTO DE 2017
AngloGold testa sirene no Pompéu
31 DE OUTUBRO DE 2017
Uma tradição milenar
17 DE JULHO DE 2017
Mãe Belgo
17 DE JULHO DE 2017
Cultura, diversão e inovação
17 DE JULHO DE 2017
Nova Era: ArcelorMittal
29 DE AGOSTO DE 2017
Romance em contos
21 DE NOVEMBRO DE 2017
Quanto custa morrer?
03 DE JANEIRO DE 2018
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
28 DE SETEMBRO DE 2017
08 DE AGOSTO DE 2017
08 DE AGOSTO DE 2017
Alerta as Prefeituras
18 DE JULHO DE 2017
Aluguel sem burocracia
28 DE SETEMBRO DE 2017
ACESSO PARA TODOS
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados