SÁBADO, 20 DE JAN DE 2018
Untitled Document
NOTICIÁRIO - GERAIS
03 DE JANEIRO DE 2018
Amigas criam projeto que ensina crianças a ter boa saúde bucal

Foi uma marca que traz desde a infância que fez com que a empresária de Belo Horizonte, Raquel Freire Rodrigues, esposa do também empresário, Izaías Rodrigues que tem empreendimentos no Bairro Borba Gato, em , idealizasse o projeto Dentinho, que tem o objetivo de levar às comunidades mais carentes sobre a importância da escovação de dentes. “Quando criança eu perdi cinco dentes, ainda menina, mas isso porque há 50 anos não existia acesso à informação, à escovação adequada e muito menos a dentista, então se seu dente doía e quando acontecia de levar ao dentista se arrancava, isso me marcou muito”, conta.

Passando por isso e sabendo o quanto é serio a perda de um dente que pode gerar perda óssea, perda de gengiva e mudar até o formato de um rosto, Raquel trouxe consigo a vontade de mostrar para todos o quão é importante uma boa escovação. “Falei com minha dentista que se eu pudesse iria às comunidades carentes e falaria da importância da escovação e o quanto um dente pode fazer falta ”, diz. A dentista, Monalisa Ferreira, achou interessante a ideia e resolveu encarar o desafio.

A partir daí, as duas amigas, passaram a visitar alguns locais que tiveram acesso, através de associações ou escolas e reunir as para contar sobre a importância da escovação, do uso do fio dental de uma forma lúdica e descontraída. “Nessa brincadeira, além da gente interagir com as crianças, a gente faz a explanação de todo o processo. Muitas vezes a gente chega em locais que algumas crianças dividem a escova com o irmão ou que nunca passaram um fio dental”, conta Raquel.

Monalisa diz que a principio é um projeto amador. “O que move a gente é a vontade de ajudar, de levar um pouco do que gente sabe para essas pessoas carentes. Como eu sou dentista, é isso que eu sei fazer. Eu sei falar de saúde bucal. Eu sei falar de sorriso”, diz. A dentista explica que a ideia é focar na prevenção, com o objetivo de diminuir o problema que essas crianças já enfrentam e ainda enfrentarão no decorrer da vida.

Além de orientar a escovação, também é oferecido um kit com um copo, uma escova, pasta de dente e fio dental. “É uma oportunidade de a gente estar junto com as crianças e sentir um pouco cada uma delas. A receptividade é algo fantástico. A gente sai carregada de boas energias de levar esse pouco”, conta Monalisa.

Elas explicam que o projeto não está vinculado à política e a nenhuma instituição religiosa, mas conta com a boa vontade de pessoas que sensibilizaram com a causa, fazendo a intermediação entre o projeto e as comunidades e outras doando os produtos para os kits.

O projeto Dentinho existe há dois anos e até o momento cerca de duas mil crianças já tiveram a oportunidade de receber as orientações. Em Sabará, elas já visitaram instituições nos bairros Castanheiras, Roça Grande e Alvorada

As amigas dizem ainda que existe uma ideia maior, como visitar as comunidades a cada três meses, realizar mais visitas com o objetivo de atingir um número maior de pessoas e de repente futuramente até oferecer atendimento, mas nesse caso seria necessário mais apoio.

Mas enquanto isso não acontece, a dupla do Projeto Dentinho, vai realizando suas visitas dentro de suas possibilidades, oferecendo orientação de saúde bucal, um kit escovação e muita alegria.

Doação que vem da infância

As idealizadoras do projeto aprenderam desde criança a se preocuparem com o outro, a acolher, ajudar e a querer fazer algo importante para a sociedade.

Monalisa conta que sua mãe sempre foi muito caridosa e com pouco recurso, assim como seu avô. “Ele chegava em casa sem camisa, porque havia doado para alguém. Meus avós levavam pessoas doentes para casa para cuidar. Então eu aprendi com o exemplo. Eu não quero passar por essa vida em branco, eu tenho que passar algumas coisas”, destaca.

Raquel também se lembra que desde infância presenciou seus familiares cuidando do próximo. “Meu tio era farmacêutico e a casa dele vivia cheia de gente que chegava era medicado e alimentado”, lembra.

Elas dizem que é muito gratificante o trabalhado realizado através do projeto a recompensa vem através dos olhares, dos abraços da felicidade das crianças em receber um kit tão simples. “A criança sempre nos recebe com o que ela tem de melhor. Em todas as nossas experiências, a gente sente muita afetividade no abraço, no aconchego de cada um. Eu digo que ganho muito mais do que eu dou. É muito recompensador”, afirma Raquel.

GERAIS
25 DE SETEMBRO DE 2017
Carnaval dos Enxutões
27 DE ABRIL DE 2015
Rede Sindijori de Comunicação
18 DE OUTUBRO DE 2016
20 DE FEVEREIRO DE 2017
Ande de acordo com a lei
29 DE AGOSTO DE 2017
AngloGold testa sirene no Pompéu
31 DE OUTUBRO DE 2017
Uma tradição milenar
01 DE FEVEREIRO DE 2017
REDE SINDIJORI DE COMUNICAÇÃO
22 DE MARÇO DE 2017
Corrente do Bem
17 DE JULHO DE 2017
Mãe Belgo
17 DE JULHO DE 2017
Cultura, diversão e inovação
17 DE JULHO DE 2017
Nova Era: ArcelorMittal
29 DE AGOSTO DE 2017
Romance em contos
21 DE NOVEMBRO DE 2017
Quanto custa morrer?
03 DE JANEIRO DE 2018
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
28 DE SETEMBRO DE 2017
22 DE MARÇO DE 2017
Não existe hora de parar
08 DE AGOSTO DE 2017
08 DE AGOSTO DE 2017
Alerta as Prefeituras
18 DE JULHO DE 2017
Aluguel sem burocracia
28 DE SETEMBRO DE 2017
ACESSO PARA TODOS
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados