QUARTA-FEIRA, 17 DE JAN DE 2018
Untitled Document
NOTICIÁRIO - EDUCAÇÃO
18 DE JULHO DE 2017
Riquezas de nosso patrimônio

Projeto pretende despertar o sentimento de pertencimento à cidade no intuito de preservar a nossa história

Sabará tem uma população de 135 mil habitantes, possui uma extensão territorial de 303, 564 km², possui distritos e bairros bem longe do centro, é comum ouvirmos muitas pessoas que nasceram e foram criadas em General Carneiro ou Ravena, por exemplo, dizerem “Tenho que ir a Sabará”, se referindo ao Centro da cidade, como se simplesmente não morassem no mesmo município.

Logo, para que desconstruamos essa ideia é importante trabalharmos em nossos jovens e crianças o sentimento de pertencimento à cidade para que eles possam continuar construindo essa bela história tricentenária.

Nesse sentido a Gerência de Patrimônio do Município, vinculada a Secretaria Municipal de Cultura, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação criou o Projeto de Educação Patrimonial - Riquezas de nosso patrimônio - que é formado por um conjunto de ações de educação patrimonial com o objetivo de sensibilizar os alunos da Rede Municipal de Ensino para o valor, os sentidos e a importância do patrimônio cultural e natural existente nas vizinhanças de sua comunidade escolar.

O projeto piloto está sendo desenvolvido na Escola Municipal Edith Assis Costa, localizada no bairro Rosário, bem próximo ao Conjunto Paisagístico do Morro São Francisco, bem cultural e natural tombado pelo município, em duas ocasiões 2007 e 2017 e que está servindo de objeto de estudo para os alunos.

O Morro São Francisco foi escolhido por possuir um riquíssimo material que inclui seus sítios arqueológicos, composto por um calçamento de pedra que fazia a ligação entre Minas e Bahia no século XVIII e o forno de cal da mesma época que era utilizado para a fabricação de matéria-prima usada na construção de várias edificações do Centro-Histórico, inclusive da Igreja São Francisco. Além disso, o local possui importantes atributos naturais, como a nascente que há mais de 200 anos fornece água para o Chafariz do Kaquende, a fauna, flora, relevo e sua cultura imaterial.

Os alunos já visitaram o local e agora finalizam os trabalhos para apresentá-los durante Feira de Cultura que acontecerá em agosto. “A ideia é que eles levem para a comunidade o conhecimento adquirido”, diz o professor de geografia, Edvaldo Rocha, que guiou os meninos nas visitas ao Morro São Francisco.

A aluna Letícia Aparecida, 7º ano, 13, diz que o projeto foi muito bom, pois ela descobriu a importância que a região do Morro São Francisco e o Centro de Sabará têm. “Eu não sabia que a Igreja São Francisco era histórica e que foi construída há tantos anos”, diz.

Para Rafaela Camile, 6º ano, 11 anos, o mais interessante foi saber que seu bairro possui uma área tão importante para a história. “Eu moro aqui desde que nasci e não sabia que meu bairro era tão importante. Achei legal também a existência do forno de cal que tem lá em cima, pois a cal produzida lá era usada na pintura e construção do século XVIII”, conta.

Alice Trindade mora em Sabará há apenas dois anos. A aluna do 9º ano diz que através do projeto descobriu o tanto que Sabará era importante no século XVIII e como ocupava um imenso território. “Com isso passei a dar ainda mais importância para a história desta cidade”, afirma.

Outro Olhar

Segundo a gerente de Programa Sócio-Educativos e Culturais da Secretaria de Educação, Flávia Honorato, o Morro São Francisco também foi escolhido por ter sido vítima, nos últimos anos, de grandes invasões o que tem colocado o patrimônio em risco.

Por isso durante as visitas os representantes da Secretaria de Educação e do Patrimônio procuraram conscientizar os moradores sobre a riqueza do local mostrando o quanto é importante a sua preservação. Flávia ressaltou ainda que muitos alunos da escola são moradores da localidade.

Ela diz que, além da preservação, a conversa com os moradores serviu para mostrar o risco que eles correm com construções desregulares que podem provocar deslizamento de terra, causando desabamento ou soterramento de outras residências.

Foi distribuído um panfleto destacando toda a riqueza do Morro São Francisco e ressaltando o que está previsto nas leis do município. Entre as leis destacamos a de número 423/1991 que diz que;

- “Toda e qualquer modificação do aspecto de local protegido por tombamento deve ser previamente autorizada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural e Natural de Sabará, estando o responsável sujeito às penalidades por infração de natureza gravíssima”;

E ainda o decreto nº 258/02: que fala sobre a preservação das matas do Morro São Francisco.

- “As matas situadas no topo do Morro São Francisco são consideradas área de preservação permanente e, logo, não pode sofrer qualquer tipo de ocupação”.

EDUCAÇÃO
11 DE MAIO DE 2015
28 DE SETEMBRO DE 2017
Pedalando por uma vida melhor
28 DE SETEMBRO DE 2017
Cantinho do Escritor Sabarense
18 DE JULHO DE 2017
Riquezas de nosso patrimônio
28 DE SETEMBRO DE 2017
De portas abertas
06 DE OUTUBRO DE 2017
2ª edição da Ação Promove
31 DE OUTUBRO DE 2017
Ação Promove SABARÁ
31 DE OUTUBRO DE 2017
Literatura sabarense
31 DE OUTUBRO DE 2017
Professores no limite
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados