DOMINGO, 23 DE JUL DE 2017
Untitled Document
NOTICIÁRIO - CARTAS À REDAÇÃO
00 DE DE 0000
Seu Vino, nosso Pai Herói

* Kiko Vieira

Na edição nº 941, de 31/05/2017 a 15/06/207, deste periódico, coluna Papo de Buteco, escrita pelo cronista Luis Alves dos Santos, o nosso amigo de infância e familiar teve a boa intenção de homenagear o nosso querido, saudoso e amado pai Recenvindo Vieira da Silva, Seu Vino. No entanto, nossa família avaliou o texto como um tiro pela culatra quando o escriba quis mostrar o lado alegre e divertido do nosso pai, o que era mesmo.

A impressão que foi passada aos leitores da coluna foi a de que Seu Vino era uma pessoa volátil, leviana, irresponsável, sem caráter e opinião. Um barco a deriva em meio a tempestade no mar. Para reparar essa distorção de uma falsa imagem de papai mostramos quem foi o Seu Vino.

Ele nasceu em Esmeraldas, sendo o terceiro filho de vovó Olga e de vovô João Vieira da Silva, respeitado e requisitado mestre de obras e protético naquela cidade e região. Perdeu a mãe aos 9 anos de idade e o pai aos 12 anos. Responsável desde cedo, seu Vino veio para Sabará em busca do primeiro emprego para criar e sustentar os sete irmãos (Nilza, Geraldo, Francisco, Cota, Claret, Raimundo e Ildeu). Foi balconista, repositor e estoquista no armazém do Géo. Em seguida foi promovido a carroceiro com carteira de habilitação para entregar mercadorias nas moradias da cidade e melhoria de salário.

Casou-se com Maria Eugenia (Ramos)Vieira, tiveram 13 filhos para educar, alimentar e encaminhar na vida além de seus irmãos. Foi um guerreiro. Na época trabalhou em uma grande loja elétrica na praça da estação em Belo Horizonte. Tinha duas primas de primeiro grau aqui em Sabará, Tiná Costa e Joaquina Veira Dias.

Seu Vino foi o maior e melhor sabarense que conheci e conheço, amou a cidade como nunca, uma forma de agradecimento ao acolhimento que teve quando aqui veio buscar a sobrevivência.

Teve muitos amigos sinceros. Entre tantos, o dr. Cássio Trindade(ex-diretor da Belgo Mineira e ex-prefeito), dr. Silvio Pereira(médico e ex-prefeito), José da Costa Sepúlveda(ex-prefeito). Cito essas personalidades não por arrogância e orgulho, longe de nossa família, mas para exemplificar o amor incondicional de papai por Sabará. Entre incontáveis atos de doação à Sabará, Seu Vino era o pronto socorro nas emergências e urgências da municipalidade.

Sabará tinha suas principais ruas iluminadas por um gerador de energia elétrica instalado , hoje, na atual pracinha da Câmara Municipal. O equipamento pifava lá ia mensagem para seu Vino providenciar materiais necessários paro conserto do gerador e não deixar a cidade no escuro.

Quando da construção do Cine Bandeirantes, hoje Centro Cultural, todo material elétricos, fios, luminárias, lâmpadas, lustres e outros mais, foram solicitados a papai. Até hoje a prefeitura nunca pagou um tostão sobre as ‘compras’ anotadas no caderninho. Papai pagou tudo. Cada centavo foi descontado de seu salário tirando de nós alimento e um pouco mais de conforto.

Seu Vino nunca teve reconhecimento. Por muito menos ou nada muitos sabarenses tem cidadania honorária, nomes em placas de ruas, praças e público. Não carregamos mágoa alguma disso. Agradecemos ao Seu Vino, nosso Pai Herói, pelo o legado que nos deixou: da moral, da ética, do caráter, do direito, da justiça, da caridade, da humildade, do amor ao próximo, da fraternidade, da perseverança e amor a Sabará. A nossa casa foi e é assim.

CARTAS À REDAÇÃO
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados