QUARTA-FEIRA, 17 DE JAN DE 2018
Untitled Document
NOTICIÁRIO - MEIO AMBIENTE
22 DE MARÇO DE 2017
Águas residuais: a importância do tratamento

Dia Mundial da Água debate a maneira correta de devolver essa substância essencial à vida para o meio ambiente

Na próxima quarta-feira, 22 de março, comemoramos o Dia Mundial da Água, o tema escolhido para debate, pela ONU Água - interagência da Organização das Nações Unidas que cuida da temática de recursos hídricos e saneamento- foi “Águas Residuais”.

As Águas Residuais, resultantes de algum processo de alteração, após o uso doméstico, comercial ou industrial, também conhecida como "esgoto", geralmente podem ser reutilizadas para fins que demandem menor qualidade, desde que recebam um tratamento adequado.

A volta dessas águas para meio ambiente requer processos de tratamento que lhe devolvam a qualidade necessária para que sejam lançadas nos rios, represas, lagos ou no mar, sem causar danos à saúde e ao ecossistema.

No Brasil, a coleta e tratamento de esgoto é um dos grandes desafios para o saneamento ambiental. Segundo o Instituto Trata Brasil, apenas 48,6% da população tem acesso a este processo, com maior incidência nas regiões sul e sudeste e os menores índices no norte e nordeste.

Em Minas Gerais, a empresa responsável por esse serviço é a Copasa. A Companhia informa que nas 245 cidades operadas por ela no Estado com os serviços de esgotamento sanitário, o percentual de coleta de esgoto hoje é 79,30% e deste montante, 79,32% é tratado.

Em Sabará, a Copasa é responsável pelos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário. O percentual de coleta de esgoto hoje é 67,94%.

O valor cobrado para coletar e fazer as manutenções das redes de esgoto, é correspondente a 50% do consumo de água do imóvel, que é o mesmo cobrado pela Copasa em todas as cidades em que presta este serviço.

Já naquelas cidades em que a empresa também faz o tratamento do esgoto coletado a tarifa estipulada pela Arsae-MG é correspondente a 90% do valor do consumo de água do imóvel.

As tarifas cobradas para prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário são definidas pela Agência Reguladora dos Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (ARSAE-MG), através da Resolução 004, de 23 de março de 2011.

A Copasa esclarece que em Sabará não será construída uma estação de tratamento de esgoto (ETE). O esgoto coletado será encaminhado para as ETEs Arrudas e Onça, em Belo Horizonte e Santa Luzia, respectivamente, através de redes interceptoras de esgoto. O projeto está em fase de elaboração e a previsão é de que, em aproximadamente dois anos, as obras serão executadas.

No município, a maior dificuldade da Companhia para implantar o sistema de esgotamento sanitário é a falta de infraestrutura urbana.

A Companhia diz que a implantação dos serviços de saneamento básico em uma cidade tem como benefício reduzir as doenças de veiculação hídrica, como diarreia, hepatite e leptospirose, evitando a proliferação de vetores. A coleta e o tratamento de esgoto, além de mais saúde para a população, despoluem e preservam os cursos d’água, levando mais desenvolvimento socioeconômico para o município.

Enquanto isso os rios das Velhas e Sabará, que cortam a cidade, continuam recebendo milhares de litros de esgoto diariamente.

MEIO AMBIENTE
06 DE OUTUBRO DE 2017
Horário de Verão será mantido
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados