DOMINGO, 23 DE JUL DE 2017
Untitled Document
NOTICIÁRIO - ECONOMIA
23 DE JANEIRO DE 2017
Governo cria programa de qualificação profissional de acordo com levantamento das empresas

Cursos em parceria com Pronatec serão elaborados a partir de sondagens das necessidades existentes em diversos setores. Já há 1.200 vagas a serem oferecidas em 2017

A nova forma de gerir o Estado, de ouvir para governar, tem impulsionado diversas políticas públicas em Minas Gerais nesta gestão. Em consonância com o modelo, baseado na participação popular, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) está desenvolvendo diversos cursos, via Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), a partir das demandas da população.

“A diferença é que primeiro é feito um levantamento, por meio de diálogo com os segmentos produtivos, para conhecer e mapear as demandas existentes por profissionais. A partir daí é que serão criados os cursos de qualificação, e não o contrário, como é normalmente feito”, explica o subsecretário de Ensino Superior de Minas Gerais, Márcio Rosa Portes.

A expectativa é que a nova dinâmica potencialize a colocação dos profissionais no mercado de trabalho, uma vez que eles serão formados de acordo com a demanda existente. Este é mais um programa desenvolvido pelo Governo de Minas Gerais para minimizar os efeitos da atual crise econômica brasileira, que afeta setores tradicionais da atividade produtiva. Assim, buscam-se novas oportunidades nas áreas de tecnologia, inovação e da Indústria Criativa.

Um dos exemplos é o termo de cooperação técnica firmado, em dezembro, entre o Governo de Minas Gerais e a BH Airport, concessionária do Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Com o objetivo de promover ações de desenvolvimento do terminal aeroportuário, a Sedectes vai capacitar, via Pronatec, trabalhadores para as demandas do aeroporto, em cursos específicos que atendam ao polo aeroportuário mineiro.

“Vamos oferecer cursos especializados e voltados para as demandas reais do mercado e, ao final das aulas, os alunos aprovados participarão dos processos seletivos para as vagas abertas nas empresas cessionárias do aeroporto, atendendo às necessidades de mão de obra qualificada e gerando emprego e renda para a população”, afirma a superintendente de Ensino Tecnológico da Sedectes, Cristiane Saldanha.

O programa vai beneficiar, principalmente, trabalhadores das áreas próximas ao aeroporto, como Confins, Lagoa Santa, Vespasiano e Pedro Leopoldo, cidades onde as aulas serão ministradas, no turno noturno de escolas estaduais. Os cursos, com início previsto para abril, terão carga horária de 200h/aula e incluem um módulo de empreendedorismo.

”Em breve, será feita uma reunião com todos os representantes das empresas que funcionam no aeroporto, para identificar as principais necessidades de competências profissionais que eles têm. Os cursos serão montados especificamente para suprir estas demandas”, diz Cristiane.

Localizado em Confins, o aeroporto internacional de Belo Horizonte foi construído em 1984 e, em abril de 2014, foi concedido à iniciativa privada no plano de concessões de grandes aeroportos. A empresa que assumiu seu controle foi a BH Airport – consórcio formado pela brasileira CCR e pela Zurich Airport, administradora do aeroporto de Zurique, na Suíça.

O gestor de Relações Institucionais da BH Airport, Guilherme Motta Gomes, conta que a expectativa com a parceria com a Sedectes é a melhor possível. “O aeroporto é o motor do desenvolvimento econômico do Vetor Norte da Região Metropolitana, por isso é importante capacitar pessoas nos municípios em seu entorno. A ideia é incluir demandas das principais atividades desenvolvidas e, assim, qualificar a mão de obra nas mais diferentes funções, não só na BH Airport, mas em toda a comunidade aeroportuária”, diz.

O gerente regional da loja Dufry, Alexandre Ferreira, acredita que a iniciativa é importante. “Temos dificuldade para encontrar pessoas qualificadas. Muitas vezes conseguimos profissionais em Belo Horizonte, porém a distância é um dificultador. Seriam muito bem-vindos cursos nas áreas de atendimento, gestão de pessoas e logística, nas quais temos maior carência de mão de obra”, relata.

Hoje, a BH Airport emprega diretamente cerca de 1.450 pessoas, de um total de 7 mil, que trabalham dentro do sítio aeroportuário nas mais diversas atividades: comércio, prestadores de serviço, órgãos públicos, logística de cargas etc. “É importante iniciar a qualificação de mão de obra já antecipando a retomada do crescimento econômico, quando novas vagas serão abertas”, completa Gomes. Algumas demandas para os cursos já foram identificadas, como atendimento ao público, noções de finanças e empreendedorismo.

Qualificação no polo cervejeiro

Não é à toa que Minas Gerais vem sendo conhecida como a “Bélgica brasileira”, em referência ao país europeu mais famoso por suas cervejas artesanais. Hoje, o estado abriga mais de 40 cervejarias artesanais, que produzem cerca de 13 bilhões de litros da bebida por ano.

Pensando no crescimento do setor no estado, um dos novos módulos do Pronatec que será ofertado pela Sedectes será voltado ao polo cervejeiro, com 250 vagas. “Queremos trabalhar toda a cadeia produtiva da cerveja, formando não apenas mestres cervejeiros, mas pessoal para trabalhar nas áreas de logística, vendas, administração etc”, ressalta a superintendente de Ensino Tecnológico da Sedectes, Cristiane Saldanha.

Empresário e um dos mestres cervejeiros mais respeitados no Brasil e no mundo, Marco Falcone, da Falke Bier, abraçou a iniciativa e será o coordenador do curso, que terá aulas práticas oferecidas dentro de suas fábricas. “O projeto vai formar um centro de qualificação que envolverá toda a cadeia produtiva. Assim, vamos criar nova mão de obra, que será muito bem-vinda nas cervejarias, contribuindo para a transformação de Minas Gerais em um polo cervejeiro. É uma grande oportunidade de movimentação econômica para o setor”, destaca Falcone.

O módulo, segundo Cristiane, começa com a cerveja, mas a ideia é ampliar para outros setores econômicos de destaque na economia mineira, como o café, queijo e a cachaça. “Em tempos de crise, é muito bom que estas empresas encontrem profissionais qualificados já no perfil que precisam”, conclui a superintendente.

Sistema prisional

Outro exemplo está no sistema prisional mineiro, onde serão ofertadas 200 vagas para os cursos de assistente administrativo e programador web. A oferta de módulos do Pronatec dentro de presídios é inédita no país. A Sedectes já lançou o edital e selecionou os profissionais para os cursos, que estão previstos para começar no próximo mês.

“Esta modelagem que estamos construindo foi considerada como inovadora pelo Ministério da Educação (MEC) e com potencial para se tornar modelo no país”, conta o subsecretário de Ensino Superior de Minas Gerais, Márcio Rosa Portes. Para tanto, serão investidos R$2,5 milhões, em quatro cursos que totalizarão 1.200 vagas. Os recursos já foram liberados pelo MEC.

Pronatec cultural

Além do Pronatec prisional e da aplicação dos módulos nos polos aeroportuário e cervejeiro, a Sedectes também estrutura cursos em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura (SEC), que teve as principais demandas já levantadas. Serão oferecidas 330 vagas cursos de Produtor Cultural e DJ.

“Nossa expectativa é a de proporcionar ao cidadão mineiro a possibilidade de qualificação para inserção produtiva e social, em diversas áreas, num momento onde as taxas de desemprego estão crescendo”, enfatiza Márcio Portes.

No Pronatec, o aluno recebe ajuda de custo para deslocamento (no módulo Prisional esta ajuda não será concedida), e alimentação, além de um kit do aluno, composto por material didático, camiseta do programa, entre outros.

ECONOMIA
23 DE NOVEMBRO DE 2015
29 DE FEVEREIRO DE 2016
Desconto de 15% no IPTU
05 DE JANEIRO DE 2017
2017 será para empreendedores
22 DE MARÇO DE 2017
Dança no preço da gasolina
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados