DOMINGO, 23 DE JUL DE 2017
Untitled Document
NOTICIÁRIO - ECONOMIA
16 DE JANEIRO DE 2017
Em meio à crise programas de estágios se destacam entre os jovens

Primeiro semestre do ano abre temporada de vagas e representa oportunidade para ingressar no mercado

O país enfrenta atualmente um cenário econômico conturbado devido ao período de crise que vem se estendendo pelos últimos anos. Mas, enquanto o mercado de trabalho formal encolhe e passa por uma recessão contínua, os programas de estágio e aprendizagem apresentam uma estabilidade e previsões positivas. Notícia boa para muitos jovens estudantes, que foram diretamente impactados pelos percalços da economia e buscam alternativas para não ficar à margem do mercado de trabalho.

Desemprego acentuado na faixa etária mais jovem

O histórico da taxa de empregabilidade entre os trabalhadores até 24 anos não tem sido muito positivo nos últimos meses. Em 2016 esse foi o grupo mais afetado pelo encolhimento do mercado brasileiro no período de crise – segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do trabalho, o número de jovens que perderam o emprego chegou a cerca de 4,8 milhões.

De acordo com uma análise do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) realizada com base nos dados do CAGED e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), até o terceiro trimestre do ano passado a taxa total de desemprego entre os jovens dessa faixa etária alcançou 27,7%. O estudo também revela que o desemprego afeta mais ainda os trabalhadores que não concluíram o ensino médio – taxa de 21,4%. O cenário desfavorável é preocupante, principalmente para quem está em fase de adquirir experiência e projetar a carreira profissional.

Programas de aprendizagem e desenvolvimento profissional

O alto índice de desemprego no país e o aumento da oferta de mão de obra contribuíram para a queda do rendimento médio do trabalho, que permaneceu abaixo do observado no mesmo período de 2015. Diante disso, os jovens buscam alternativas para elevar as chances de conseguir uma vaga, especialmente aqueles que ainda estão em processo de aprendizagem e precisam conciliar os estudos e o emprego.

A baixa remuneração oferecida atualmente no mercado celetista e a inexperiência são os principais entraves para essa parcela da população, mas os programas de estágio têm se mostrado como um mecanismo eficaz para driblar essa situação e auxiliar o grupo nesse momento delicado.

Um levantamento realizado em 2016 pela Companhia de Estágios – assessoria especializada no recrutamento e seleção de estagiários – mostra que desde o início os estudantes já se preocupam em projetar a carreira na área escolhida e adquirir, além do conhecimento teórico oferecido no curso, experiência prática e vivencia de mercado – 42,4% já começam a procurar uma colocação nos primeiros semestres do curso.

Temporada de novos processos seletivos

Essa época do ano assim como muitos jovens estão ingressando na faculdade e cursos técnicos, muitos outros estão se formando na graduação ou concluindo o ensino médio, o que representa uma oportunidade para que novos estudantes preencham as vagas que surgem e participem de programas de estágios, no entanto, Tiago Mavichian, diretor da Companhia de Estágios, afirma que a concorrência é menor nesse período: “Os dados internos da empresa mostram que no último triênio o número de inscritos no primeiro semestre foram menores em comparação com o resto do ano”.

Maiores chances de seguir na área de formação

Segundo o especialista o estágio ainda possibilita que o graduando ou o aluno do ensino médio técnico adquira experiência na área em que pretende seguir depois de sua formação. Mavichian afirma que após o programa de estágio o estudante já pode ingressar no mercado com uma experiência prática no ramo escolhido, além disso ainda é possível ter um panorama mais completo da profissão: “Por ter uma flexibilidade muito ampla os programas de estágio permitem que os estudantes conheçam as diversas áreas em que seu curso possui atuação e possam experimentar várias funções, conhecendo melhor cada possibilidade e facilitando melhor a decisão sobre uma especialização por exemplo. Quanto mais cedo o estudante ingressar no estágio maior poderá ser seu le que de experiências” – ressalta o diretor.

Expectativas para 2017

Segundo especialistas as perspectivas para a economia do país esse ano é de uma leve melhora. As projeções indicam um crescimento tímido e uma recuperação lenta. Em vista disso, especialistas indicam que é preciso se especializar e se reciclar para enfrentar a concorrência acirrada e garantir uma colocação.

Como se destacar no mercado de trabalho em meio à crise

Qualificação é a chave para o sucesso, especialmente em um período de crise, e muitas pessoas já se deram conta disso, pois o número de estudantes matriculados no ensino a distância – modalidade mais barata que a tradicional – cresceu 5,04% de acordo com dados do Censo da Educação Superior 2015, divulgados pelo Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e as previsões são de que o total atinja 2 milhões esse ano.

Para Mavichian o quadro econômico conturbado do país fez com que muitos buscassem uma nova especialização para tentar outras áreas do mercado e isso, consequentemente, levou muitas pessoas de volta aos estudos: “Pesquisas do setor mostram que os programas de estágio estão em ascensão entre os estudantes com mais 30 anos, no entanto, diferente dos jovens que estão começando a projetar a carreiras, esses alunos possuem experiências profissionais diversificadas e mais vivência de mercado, portanto os jovens precisam se preparar ainda mais para poder competir com esses candidatos, e investir numa formação complementar que agregue novos conhecimentos e práticas ao currículo é fundamental.”

Férias é momento propício para enriquecer o currículo

O período de recesso é visto por muitos como o momento ideal para o lazer e descanso, mas para outros é encarado como uma oportunidade de colocar em prática as coisas que são proteladas ao longo do ano devido à falta de tempo. Para os estudantes pode ser a hora mais oportuna para colocar em dia aquele curso de extensão, a pratica de outro idioma ou aprender algo novo, tudo é válido na hora de enriquecer o currículo.

Outra opção ideal para o período de férias é o trabalho voluntário. Rafael Pinheiro, gerente de Recursos Humanos, afirma que as empresas valorizam muito esse tipo de atividade e pode ser um diferencial na hora de escolher um candidato: “O jovem que se dedica a uma causa demonstra comprometimento com a cidadania e a sociedade, além disso desenvolve características altamente desejadas no dia a dia profissional. Essa atividade pode destacar um candidato na hora da seleção, principalmente se for relacionada à área, além disso é acessível para aqueles que não podem investir em um curso no momento e ainda pode preencher alguma lacuna vazia no currículo, como a falta de experiência”.

O especialista explica que além de agregar conhecimento e contribuir para o crescimento pessoal de quem o pratica, o voluntariado ainda demonstra que o jovem tem iniciativa e auxilia no desenvolvimento de competências muito apreciadas no âmbito profissional como disciplina, responsabilidade, pontualidade, trabalho em equipe e comunicação.

ECONOMIA
23 DE NOVEMBRO DE 2015
29 DE FEVEREIRO DE 2016
Desconto de 15% no IPTU
05 DE JANEIRO DE 2017
2017 será para empreendedores
22 DE MARÇO DE 2017
Dança no preço da gasolina
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados