SEXTA-FEIRA, 24 DE NOV DE 2017
Untitled Document
NOTICIÁRIO - POLÍTICA
30 DE MAIO DE 2016
Incidentes em evento em Ouro Preto voltam a ser debatidos

DATA: Terça-feira (31)

HORÁRIO: 9 horas

LOCAL: Plenarinho IV da Assembleia

Deputado acusa Polícia Militar de abuso de poder contra entidades de classe em cerimônia da Medalha da Inconfidência.

A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realiza nova audiência pública, nesta terça-feira (31/5/16), para tratar de denúncia de repressão truculenta por parte da Polícia Militar (PM) contra o deputado Sargento Rodrigues (PDT) e líderes de sindicatos de militares durante a cerimônia da Medalha da Inconfidência, em Ouro Preto (Região Central do Estado), no dia 21 de abril deste ano. O tema, que já foi debatido no dia 17/5, será assunto de nova reunião devido a ausência de representantes da corporação no primeiro encontro.

Segundo o presidente da comissão e autor do requerimento que solicitou a reunião, deputado Sargento Rodrigues, houve, naquela oportunidade, descumprimento da Constituição da República, especialmente no que se refere aos direitos de ir e vir, de manifestação e de liberdade de expressão. Na audiência do dia 17/5, ele explicou que o fato se deu em obediência à ordem do governador do Estado, para que fosse reforçada a segurança contra representantes de entidades de classe. “Um dos cinco oficiais convocados para participar da reunião, o chefe do Gabinete Militar do Governador, coronel PM Helbert Figueiró de Lourdes, enviou ofício à comissão para explicar que, em função de compromisso assumido anteriormente, não poderia vir à ALMG. Ele se colocou à disposição para prestar esclarecimentos nesta terça (31)”, explicou.

Na reunião anterior, o parlamentar exibiu vídeos e apontou, nas imagens, a entrada de representantes de entidades como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), enquanto, segundo ele, sua entrada e de outros representantes de categorias da PM foram proibidas, com o uso de gás lacrimogênio e da tropa de choque.

Convidados – Para o debate, a comissão convidou o secretário de Estado de Governo, Odair José da Cunha; o deputado federal, Subtenente Gonzaga (PDT-MG); a promotora de Justiça coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos, Nivia Mônica da Silva; o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (AOPMBM), tenente-cel PM Ailton Cirilo da Silva; o presidente da Associação de Servidores do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais (Ascobom), sargento BM Alexandre Rodrigues; o presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra-PM/BM), 3º-sargento PM Marco Antônio Bahia Silva; o presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Minas Gerais (CSCS), cabo BM Álvaro Rodrigues Coelho, e o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais (OAB-MG), William dos Santos.

Convocados – Foram, ainda, convocados para o debate o chefe do Gabinete Militar do Governador do Estado de Minas Gerais, coronel PM Helbert Figueiró de Lourdes; o comandante da 3ª Região da Polícia Militar de Minas Gerais, coronel PM Eucles Figueiredo Honorato Júnior; o comandante do Batalhão de Polícia de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais, tenente-coronel PM Gianfranco Caiafa; o chefe da Seção Estratégica de Emprego Operacional do Estado-Maior da Polícia Militar de Minas Gerais, tenente-coronel PM Cláudio Vitor Rodrigues Rocha, e o comandante da 3ª Companhia do Batalhão de Polícia de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais, 1º tenente PM Leonardo Guimarães Oliveira Maillo.

POLÍTICA
28 DE DEZEMBRO DE 2016
Eleitos são diplomados
22 DE MARÇO DE 2017
Legislativo está de volta
13 DE NOVEMBRO DE 2017
Menos velocidade e mais SEGURANÇA
08 DE JUNHO DE 2017
Transformando a sociedade
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados