QUARTA-FEIRA, 25 DE NOV DE 2020
Untitled Document
NOTICIÁRIO - POLÍTICA
06 DE AGOSTO DE 2015
Sancionada lei que libera bebida alcoólica em estádios

Artigo dando preferência a feirantes que exploravam esplanada do Mineirão previamente foi vetado devido à questão legal.

Foi publicada, na edição desta quinta-feira (6/8/15), do Diário Oficial Minas Gerais, a sanção do governador à Lei 21.737, de 2015, que dispõe sobre a comercialização e o consumo de bebida alcoólica nos estádios de futebol do Estado. A nova norma teve origem no Projeto de Lei (PL) 1.334/15, de autoria do deputado Alencar da Silveira Jr (PDT), aprovado em 2º turno pelo Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), no dia 14/7. A lei entra em vigor na data da publicação.

A nova legislação permite que bebidas alcoólicas sejam comercializadas e consumidas nos estádios desde a abertura dos portões até o final do intervalo entre o primeiro e o segundo tempo da partida. Determina, ainda, que cabe ao responsável pela gestão do estádio definir os locais nos quais a comercialização e o consumo de bebida serão permitidos, sendo proibidos nas arquibancadas e cadeiras. A redação da lei autoriza também a instalação de sistemas de reconhecimento facial nos estádios.

A nova norma ainda define penalidades a quem infringir os seus dispositivos, tomando por base no Código de Defesa do Consumidor. As punições são, no caso de consumidor, retirada das dependências do estádio e multa de até 500 Ufemgs (o equivalente a R$ 1.361,45); já para fornecedor, advertência escrita e multa de até 5.000 Ufemgs (o equivalente a R$ 13.614,50), que poderá ter o valor dobrado em caso de reincidência, assegurado o devido processo administrativo.

Cessão a feirantes é vetada sob justificativa de impedimento legal

A norma foi parcialmente vetada pelo governador, no dispositivo que cedia a esplanada do Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão), dando preferência aos feirantes que exploravam o local anteriormente.

Na justificativa para o veto, o governador explicita que o espaço em questão é objeto de Concessão Administrativa, que transferiu à Concessionária o direito de exploração comercial da área, mediante “ato jurídico perfeito consistente na Parceria Público Privada que rege a gestão do complexo”. O texto afirma que artigo vetado levaria ao descumprimento das disposições contratuais, o que ofende os princípios de legalidade e segurança jurídica. O veto, agora, será analisado pela ALMG.

POLÍTICA
27 DE DEZEMBRO DE 2019
PM fecha 2019 com balanço positivo
29 DE JUNHO DE 2020
Por onde andam os vereadores?
13 DE NOVEMBRO DE 2020
1º turno é no próximo domingo
26 DE DEZEMBRO DE 2019
Prefeitura fecha 2019 com conquistas
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados