QUARTA-FEIRA, 15 DE JUL DE 2020
Untitled Document
NOTICIÁRIO - ECONOMIA
28 DE JULHO DE 2015
Cemig aposta em termelétricas a gás para ampliar geração com sustentabilidade

As termelétricas a gás estão na mira da Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig, para atender o mercado consumidor a um custo viável, investimentos reduzidos e sustentabilidade. Em viagem à França, na última semana, o presidente da Cemig, Mauro Borges Lemos, fez contatos com potenciais investidores e apresentou diversas oportunidades de negócios, entre elas a geração de energia térmica a gás.

A matriz de origem hidráulica ainda é majoritária no país, com 61% da potência instalada, mas a capacidade das usinas termelétricas, que respondem por 28% desse total, deve crescer 9 GW até 2023, segundo o Plano Decenal de Energia Elétrica do governo federal.

O presidente avalia que, no atual cenário do setor elétrico, essa matriz energética deve ser ampliada, garantindo o abastecimento a grandes centros consumidores, sem grandes impactos ambientais. "As usinas térmicas funcionam como uma reserva para o Sistema Interligado Nacional, operando nos períodos de baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas ou para aumentar a confiabilidade no atendimento a eventos regionais ou nacionais de grande relevância. Além disso, podem ser instaladas próximo aos grandes consumidores, evitando o investimento em linhas de transmissão", afirma Mauro Borges Lemos.

Fonte limpa

A geração térmica a gás natural e biogás possui agora regulamentação específica para seu licenciamento ambiental por determinação do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), órgão colegiado de licenciamento ambiental em Minas Gerais. Com isso, a produção de energia térmica ganhará um novo impulso em Minas Gerais, pois foram reduzidos as exigências e o prazo para o licenciamento ambiental de empreendimentos para geração termelétrica a gás, com potência de até 10 MW, que poderão operar a partir de emissão de Autorização Ambiental de Funcionamento (AAF).

Já em relação aos empreendimentos com potência acima de 10 MW e com até 100 MW, o licenciamento dependerá da apresentação de Relatório de Controle Ambiental, Plano de Controle Ambiental, Licença Prévia e Licença de Instalação concomitantemente. Para aqueles com potência acima de 100MW, será necessária a apresentação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA).

O diretor de Geração e Transmissão da Cemig, Franklin Martins, ressalta que a mudança na regulamentação foi resultado de um esforço da área ambiental da Cemig e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a qual levou a proposta de mudança para o Copam. "Nós mostramos que o potencial poluidor do gás natural e biogás é menor do que o do óleo combustível ou do carvão para a geração de energia elétrica e, com isso, poderemos atender a uma demanda do setor industrial por energia a custos mais baixos e com uma fonte ambientalmente mais limpa", explica.

Franklin Martins acrescenta que a nova regra de licenciamento permite, ainda, a participação efetiva de projetos de termelétricas a gás nos leilões emergenciais da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

ECONOMIA
12 DE JUNHO DE 2020
Crédito para os pequenos
23 DE NOVEMBRO DE 2015
29 DE FEVEREIRO DE 2016
Desconto de 15% no IPTU
05 DE JANEIRO DE 2017
2017 será para empreendedores
SIGA A FOLHA DE SABARÁ:
2015 © Todos os direitos reservados